Uma das formas de se retirar um pólipo intestinal é através de uma laçada em usa base durante a colonoscopia

Mitos e verdades sobre os pólipos intestinais

Os pólipos intestinais ocorrem em 15-20% da população e são alterações na mucosa do intestino, que se apresentam na  forma de cogumelos (os pediculados) ou como uma elevação discreta na parede do cólon (os sésseis). Podem ser classificados em diferentes tipos, sendo os mais comuns os hiperplásicos e os adenomas.

Todos pólipos intestinais viram câncer. MITO

Os pólipos surgem a partir do crescimento de células intestinais após uma alteração que ocorre em seus genes. O acúmulo de alterações em determinados tipos de pólipos, pode fazê-lo tornar-se um câncer, por isso chamados de pré malignos, mas na maioria dos casos isso não acontece.

Quem já teve pólipo uma vez, precisa fazer colonoscopia todo ano. MITO

A frequência para o seguimento clínico com novas colonoscopias vai depender de quantos pólipos foram encontrados, o tipo e o tamanho deles, assim como a história familiar de câncer. A presença de menos de três pólipos adenomatosos, menores do que 10 mm em pacientes sem história familiar de câncer de intestino autoriza a realização de uma nova colonoscopia em 5 anos, pelo menos. Mas o encontro de lesões maiores, pré malignas e em maior número necessita avaliação médica para vigilância e prevenção do câncer de intestino.

O aparecimento dos pólipo aumenta com a idade. VERDADE

Quanto mais velho o indivíduo, maior o número de divisões celulares que ele teve  e maior exposição a fatores que possam induzir mutações celulares. Consequentemente, aumentam-se as chances de adquirir alterações nas células que causem seu crescimento desordenado.

Pólipos intestinais podem causar sangramento nas fezesVERDADE

Os maiores pólipos intestinais tem uma chance aumentada de causar pequenos sangramentos, muitas vezes imperceptíveis. Já os pólipos pequenos, raramente causam algum sintoma.

A melhor forma de diagnosticar os pólipos é pela colonoscopia. VERDADE 

A colonoscopia é o exame que diagnostica e trata a maioria dos pólipos, pois é introduzido no intestino do paciente um aparelho com uma câmera que mostra a parede do cólon, com possibilidade no uso de pinças e outros materiais para retirada deles. É também a melhor forma de prevenir o câncer de intestino.

A colonoscopia é de alto risco quando se vai realizar a retirada dos pólipos. MITO

Na maioria dos casos, a colonoscopia para retirada dos pólipos é de baixíssimo risco. Pólipos grandes aumentam a chance de sangramento e perfuração intestinal e devem ser retirados por profissionais experientes e com recursos para tal procedimento.

Se um membro da família teve pólipos intestinais, todos devem fazer colonoscopia. MITO

Depende de quantos pólipos foram encontrados e se esse parente se enquadra em alguma síndrome familiar  formadora de pólipos e que predisponha ao câncer.

É pouco comum que os pólipos intestinais necessitem ser retirados por cirurgia. VERDADE

Apenas pólipos grandes que não foram possíveis serem retirados pela colonoscopia ou com suspeita de câncer necessitam ser operados.

A maioria dos pólipos intestinais não causam nenhum sintoma. VERDADE

Pelo fato de a maioria dos pólipos ter menos de 10mm, é pouco comum que eles causem sintomas como dor abdominal, intestino preso ou diarréia e sangramentos grandes.

A colonoscopia deve ser sempre repetida porque os pólipos intestinais voltam. MITO

Os pólipos intestinais retirados raramente voltam, entretanto durante o exame algum pólipo pequeno pode passar desapercebido ou pode haver crescimento de novos pólipos, e por isso a necessidade de repetir o exame a determinados intervalos.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe